Constelação de Órion: Nossa inspiração
 

Órion é uma das oitenta e oito constelações modernas. Está localizada no equador celeste e, por este motivo, é visível em praticamente todas as regiões habitadas da Terra. A constelação de Órion é uma das mais proeminentes da esfera celeste, sendo suas estrelas normalmente associadas à figura de um caçador ou guerreiro. 
Em seu centro figuram três estrelas de brilho similar alinhadas que constituem o Cinturão de Órion, asterismo conhecido popularmente como as Três Marias. 
São muitas as nebulosas presentes na constelação, incluindo a Nebulosa de Órion, a mais brilhante de todo o céu, visível a olho nu. A constelação é abundante na quantidade de estrelas gigantes azuis, algumas das mais brilhantes visíveis.
Na mitologia grega, Órion é um caçador que, após sua morte, foi eternizado pelos deuses como uma constelação.
Fonte: Wikipedia

 

estrelas.jpg

 

Artigos e Insights

 

 

 

 

 

 

Capitalismo Consciente -
uma nova visão de pessoas e de negócios

 

No sistema capitalista no qual vivemos, é comum que as empresas tenham foco em seus lucros e ganhos. Contudo, o que se observa mesmo que de forma velada, é a ânsia pelo lucro muitas vezes sobrepondo-se ao bem-estar das pessoas, infringindo até mesmo, algumas questões éticas. Isto é observado e tristemente ignorado. E se é ignorado, é porque aprendemos que no mundo dos negócios há mais espaço para dinheiro e poder do que para os valores humanos, que aos poucos, vão sendo negligenciados no mundo corporativo.

 

Certamente, o capitalismo possui também seus aspectos positivos, já que a partir dele, o mundo deu um salto jamais visto. Porém, precisa melhorar. Precisa ter impacto mais positivo sobre a vida das pessoas.

 

Felizmente e contrariando a resistência de muitos, já existe entre nós uma prática de gestão de vanguarda, que chega aos holofotes num momento único de transformação da história humana. Neste modelo, o lucro é uma consequência de um forte trabalho centrado no ser humano. Nas empresas que o adotam, o propósito é colocado à frente dos lucros; são as Empresas Humanizadas conduzidas sob a filosofia do Capitalismo Consciente, empresas comprometidas a fazer o bem para todos os que forem tocados por elas.

 

criancas-escola02.jpg

Os líderes destas empresas perceberam que sua verdadeira missão vai muito além que entregar produtos ou serviços de qualidade, ela está voltada para algo maior e nobre que é desenvolver seres humanos melhores para o mundo, ter um mundo melhor para recebê-los, num contexto onde todos prosperam.

 

Um levantamento feito com as empresas de práticas humanizadas nos Estados Unidos entre 1998 e 2013 mostrou que elas tiveram um retorno acumulado de 1.681%, contra 118% do S&P 500 (índice composto por quinhentos ativos (ações) cotados nas bolsas de NYSE e NASDAQ).

 

Uma gestão consciente dos negócios leva à excelência em humanização. Desta forma, os clientes, os empregados, os fornecedores, a sociedade e meio ambiente, têm a mesma importância e valor que os acionistas e investidores.

 

O capitalismo consciente prova que não é utópico valorizar pessoas, fazer um mundo melhor e ainda lucrar mais com isso, enxergando as pessoas como fonte inesgotável de conhecimentos e não como recursos apenas.

 

Pense Nisso: “Felicidade é quando o que você pensa, o que você diz e o que você faz, estão em harmonia” - Mahatma Gandhi

 

Por: Silvia Facciolongo

abstrato-amarelo-branco.png
Liderança, Responsabilidade e Futuro

 

Quando falamos em mudar o mundo, em um futuro melhor para os nossos filhos, em uma sociedade mais ética e evoluída, estamos indiretamente falando de liderança e seus impactos.

 

A missão dos líderes hoje, em qualquer contexto, é de extrema relevância e responsabilidade. O mundo passa por profundas transformações e chegou a hora de uma revisão urgente em nossos conceitos e valores.

 

É hora de desaprender o que fazemos errado e no piloto automático, para reaprender o que é certo e que fará do nosso mundo, o lugar que tanto sonhamos.

 

E para virar essa chave precisamos de líderes, que, em seu papel educativo executivo, seja na família, na escola, nas organizações ou na política, percebam e compreendam estas transformações e saibam conduzir as pessoas de forma positiva e proativa para o que vem por aí.

 

É sabido que toda transformação altera significativamente a vida de uma sociedade e invariavelmente, não gostamos e tendemos a enxergar apenas o lado negro das mudanças. Claro, pois, sair da zona de conforto, dá trabalho.

 

Então, cabe a cada líder, mostrar às pessoas que crescer dói mas, por trás de algo que parece negativo, há crescimento. Sendo assim, se você exerce algum tipo de liderança, ligue as suas antenas e capte o que o movimento do universo está nos dizendo: que precisamos de pessoas melhores, de mais tolerância, menos hipocrisia, mais atenção plena, consciência e ética, ou seja, coisas que, realmente, possam fazer a diferença para as nossas vidas num futuro próximo.

 

É possível mudar o mundo através da liderança, levando as pessoas à reflexão e conscientização sobre o nosso papel enquanto seres humanos vivendo em sociedade, onde, a solidariedade ou o simples olhar para o lado, percebendo o outro, podem ser fundamentais nesta nova fase que o mundo enfrenta. Pense nisso!

 

Por Silvia Facciolongo

sono.jpg
Quer ser produtivo,
durma bem!

Você já deve ter ouvido falar que precisa trabalhar duro, dar tudo de si, dedicar de 10 a 14 horas por dia para ser valorizado como um profissional que faz a diferença.

 

A maioria das pessoas sacrifica em nome do sucesso o sono, a alimentação e a vida pessoal.

 

Quanto ao sono, vale reprogramar essa crença de que dormir de 7 a 8 horas diárias não é importante. Sacrificar o sono tem um custo físico, emocional e cognitivo. 

 

Vários estudos comprovam que durante o sono nosso cérebro  “limpa toxinas” e “busca retomar o equilíbrio psicológico” nos ajudando a acordar dispostos e nos sentindo bem para enfrentar os desafios da vida.

 

Um dos estudos demonstrou, em ratos, que as conexões neurais se intensificam durante o dia, mas reduzem durante o sono favorecendo que os circuitos neurais se recarreguem contribuindo para com que, ao despertar, o  cérebro esteja pronto para enfrentar novos desafios.  Outro demonstra que a função do sono é permitir que o cérebro elimine as proteínas e toxinas depositadas durante o dia.

 

Essas constatações demonstram, na contramão do que se acredita, de que para  tomar boas decisões precisamos estar em dia com o sono e até dormir antes de toma-las.

Tony Schwartz (The Energy Project) em recente artigo sob o tema, de onde os estudos mencionados acima foram extraídos, nos fornece três dicas para garantir os benefícios do sono:

 

1) garantir de 7 a 8 horas de sono diárias;

 

2) dormir antes de tentar resolver problemas e tomar decisões importantes; e,

 

3) reduzir suas atividades 30 minutos antes de dormir, evitando estimular o cérebro (o que inclui não usar qualquer tipo de dispositivo móvel).

 

Experimente e verifique, você mesmo, no que boas noites de sono e descanso mental melhoram sua vida.

 

Por: Sandra Barros
 

mulher-lendo.jpg
Motivação,  
energia que nos move 

 

Boa noticia: a motivação nasce com você – é sua!

 

Veja porque: acontece no nosso organismo, É responsável pela intensidade, direção e persistência dos nossos esforços para alcançarmos objetivos na nossa vida. Sua intensidade muda ao longo do dia e é diferente para cada um de nós.

 

Assuma as rédeas: muitos de nós acha que o outro, a empresa, a família, o marido (ou esposo) é que é responsável pela nossa motivação. Cuidado! A responsabilidade é sua. Obviamente o ambiente interfere no nosso estado motivacional. Dai que mudar de ambiente é um dos caminhos para manter essa chama acesa.

 

Como?

1o.) conhecendo quais são suas necessidades motivacionais, ou seja, o que você precisa. E isso não é algo material, é algo interno. Por exemplo: você precisa dormir, comer, sentir-se útil e/ou reconhecido, ter momentos de troca com amigos e família. Liste quais são as suas necessidades (cuidado para não colocar coisas materiais na lista). Toda “coisa” material tem uma necessidade por trás. Por exemplo: carro, celular, roupas podem ser necessidade de status, reconhecimento ou grupo de pessoas.

 

2o). tomando as melhores decisões. Escolhendo pessoas, empresas e ambientes que favoreçam a “alimentação” para nossas necessidades o que inclui compra de bens materiais.

Atenção:  satisfação pessoal é resultado de um conjunto de necessidades motivacionais atendidas.

 

Plano de ação:

 

1o.) identifique quais são as suas necessidades motivacionais em cada esfera da sua vida: profissional, social, financeira, etc. perguntando-se: o que é importante para mim, o que me faria feliz, o que me faria sentir mais satisfação?

 

2o). o que eu preciso para atender a essas necessidades? Coloque ao lado das necessidades.

 

3o.) escreva como você pretende fazer para conseguir o que você precisa para atender as suas necessidades motivacionais.

 

Resultados: melhores decisões, maior satisfação e, motivação permanente.

 

 Vale muito a pena. Viver a vida pode ser muito melhor. Pense nisso e mãos à obra!


Por Sandra Barros
 

motivaçao.png
O medo, o que pode ser

 

O medo pode ser:


a)    emoção se for causada por algo especifico, tiver breve duração (segundos ou minutos), estiver acompanhada de expressões faciais ou reações físicas (choro, suores frios, tremor nas pernas, aceleração dos batimentos cardíacos entre outras) como resultado da experiência concreta de algum evento (pessoas ou coisas) podemos afirmar que estamos sentindo medo 


b)    sentimento se for um estado afetivo, sem causa especifica de evento ou objeto, com duração de horas ou dias, demonstrado por meio de expressões e reações físicas distintas e de natureza cognitiva, ou seja, construído em nossa mente.

 

Porque é importante saber a diferença?


Porque podemos evitar o sentimento medo já que é resultado do que pensamos. Mesmo que tenha sido despertado por algo especifico e causado emoção, o sentimento é a permanência no estado e isto pode ser prejudicial pois nos tira deixa com um véu, como se estivéssemos enxergando tudo a partir do medo. Além de causar um sensação de angustia ou ansiedade bem desagradáveis.

 

Como saber a diferença?
1.    primeiro: entenda a diferença entre sentimento e emoção.


2.    coloque um outro pensamento no lugar que desperte sensações agradáveis.


3.    permita-se fazer a experiência e treine. Mudar um “habito mental requer muito treino.

 

Porque é tão comum sentimos medo?


I.    porque nosso cérebro é um órgão social, ou seja, fica interpretando tudo o que acontece, geralmente de forma automática, e com a intenção de nos proteger. Então, se “ele” interpreta que o ambiente é hostil, ou que você não esta sendo tratado com justiça, etc. pode produzir um sentimento de ameaça o que pode leva-lo a sentir medo de estar nesses lugares.


II.    porque podemos estar fragilizados por situações pessoais ou profissionais que estamos passando. Ai ficamos de mau humor ou entristecidos, um “prato cheio” para pensamentos negativos e que podem despertar sentimento de medo.


III.    Porque podemos estar fazendo muitas coisas de que nao gostamos, o que gera muito esforço de nossa parte e pode nos fragilizar. Ai podemos sentir medo como consequência do estresse gerado por esses momentos.


IV.    Porque muitas vezes precisamos controlar o que pensamos e sentimos sobre as coisas e as pessoas. Isso acontece mais nos ambientes de trabalho. Novamente é fonte de estresse, nos fragiliza e pode favocer sentimentos de medo.

 

O que fazer?


1.    Conheça como o sentimento de medo aparece na sua vida.


2.    Cuide do conteúdo do seu pensamento.

Pensamento gera sentimento, e sentimento interfere no comportamento.
 

Por: Sandra Barros

silhueta-yoga-tranquilidade.jpg
Autoconhecimento e Sucesso

 

Você conhece bem os seus diferenciais quando busca um novo emprego ou tenta uma promoção interna na empresa?

 

Responder a esta questão depende, principalmente, do quanto conhece de fato, suas fortalezas e seus pontos a desenvolver. 


Muito se investe no desenvolvimento das competências técnicas, pois possuir uma formação universitária, uma segunda língua ou outros cursos de capacitação, são imprescindíveis para destacar um currículo dos demais.  Mas, será só isso? 


Pode-se afirmar que as empresas contratam o currículo e demitem o comportamento. Significa então, que é fundamental compreender como você age e reage diante de situações, ambientes e pessoas diferentes de você. Investir nos aspectos comportamentais, visando autodesenvolvimento e melhor adaptabilidade fazem toda a diferença. Afinal, são eles, os comportamentos, que revelam o verdadeiro conteúdo de uma pessoa, o seu verdadeiro “Eu”, e, podem significar sucesso ou fracasso perante o mundo.

 

Parece simples, mas nem sempre as pessoas têm o mesmo olhar dos outros sobre as próprias atitudes. Costuma-se, pelo contrário, olhar mais a conduta alheia do que a sua própria, terceirizando ou culpando os demais pelas desilusões ou derrotas. O fato é que você é o único responsável pelos seus resultados, bons ou ruins. E, quanto mais se conhecer, mais oportunidades de melhoria encontrará.  


Mergulhar no autoconhecimento, decidir o que levar para a vida e o que retirar dela, dá trabalho, porém o foco em você, trará muitos avanços e descobertas. O segredo está em ser melhor a cada dia, combatendo tendências e hábitos negativos, por fim, vencer a si próprio.


Para apoiar tudo isso, há muitas técnicas: Psicoterapia, Coaching, Counseling, entre tantas, eficazes. Encontre rápido a sua e invista em sua única possibilidade de sucesso: VOCÊ! 


Por: Silvia Facciolongo

foco.jpg
Foco na missão para encarar o futuro 

Seja qual for o seu momento profissional, pense e tente mudar a sua visão de mundo fazendo do limão, uma limonada.

 

O campo do trabalho passa por mudanças radicais que transformarão para sempre a nossa vida profissional. As vagas de emprego, como no passado, já deixaram de existir e estima-se a extinção de profissões e milhares de postos de trabalho.O futuro chegou e com ele, seus prós e contras: são aplicativos, robôs, inteligência artificial, internet das coisas e, ao mesmo tempo, chegam terceirização e reformas na previdência.

 
O que fazer diante disso? 


Segundo Darwin, sobrevive e evolui quem se adapta. Se estamos, então, na iminência de ameaças, busquemos formas de adaptação, sobrevivência e evolução no trabalho. Desta forma, pense, não seria a hora de dar vazão ao nosso real propósito de vida? Se para cada um, há um dom, este, jamais deveria deixar de ser praticado e, nem o mundo deveria ser privado de conhece-lo através de nós.


Então, pensar naquilo que nos faz brilhar os olhos, pode ser a grande saída positiva para o que virá, pois diante de um firme propósito, uma missão verdadeira, não há variável externa que nos deprima e nem forças contrárias que nos tirem da rota.

 

Até obstáculos se tornam fontes de aprendizado. Pense sobre qual é sua missão. E, se não a conhece, não se aflija, há tempo certo para tudo.

 

O importante é se pôr inteiro nos desafios, dando o seu melhor, colocando o seu capricho e o seu coração nas coisas, fazendo cada tarefa da sua vida valer à pena, abrindo a mente ao novo, respeitando o que o universo oferta.

 

E, caso esteja em transição, não busque emprego, busque um trabalho que ame. Priorize o potencial das ofertas e não o salário ou benefícios oferecidos. 


Pense sempre em como e quanto pode contribuir, se jogue, e o sucesso será consequência.

 

Por Silvia Lima
Abril 2017

abstrato-linhas-curvas-entrelacadas.png
Estresse 

 

Faz alguns anos a maioria das pessoas se queixa de estresse. Você mesmo já deve ter feito isso inúmeras vezes. Mas o que é o estresse e porque ele acontece?

 

Primeiro o que não é estresse. Quando estamos cansados, porque trabalhamos um dia todo, ou recebemos visitas em casa num domingo e no final do dia estamos irritados e impacientes, esses sintomas são, provavelmente, resultado do cansaço e, portanto, podem ser um fato isolado por conta do dia intenso. Não é estresse. 

 

Sintomas como insônia, dores de cabeça, irritabilidade, baixa disposição para se levantar pela manhã, picos de ansiedade, baixa concentração, aumento ou baixa do apetite, entre outros devem ser pesquisados se presentes por volta de três meses. Isso porque podem ou não ser estresse. A primeira coisa que se deve fazer é ir a um medico e pesquisar se há algum componente físico que esta causando algum desses sintomas. Não deixe pra lá. Não ache que “é assim mesmo”. Pesquise!

 

Mas, se você pesquisou e não encontrou nada físico é estresse.

 

E quem é o grande vilão: seu estilo de vida. Transito, trabalho, dificuldades financeiras, pessoas fisicamente doentes em casa, filhos, conflitos, entre outras situações às quais todos nós estamos sujeitos, podem nos levar ao estresse dependendo de como lidamos com elas. 

 

Nesse caso faça uma lista do que te incomoda: situações da sua vida que te deixam desconfortável. Agora é reaprender a lidar com elas de um jeito diferente, que te faça menos mal. E, se não conseguir pensar “fora da caixa”, procure apoio de uma pessoa isenta.

 

E fica o alerta: estresse ainda não é considerado uma doença, mas pode causar danos psicológicos, emocionais e físicos muito sérios! Aprenda a considerar os sinais e a tomar providências para reverte-lo reaprendendo a lidar com as situações da sua vida! 


Por Sandra Barros